quinta-feira, 30 de julho de 2009

Na luz de um luar dormente

Tela de Vincent Van Gogh

Por uma fresta da rua
ainda há loucos
que espreitam
atrás de árvores
com medo da vida
Eu sigo impávida
sabendo que viver
é só um sopro
um nada
Já não temo
os atalhos
as encruzilhadas
as longas tristezas
as decepções
da estrada
Sei que tudo acaba
numa esquina
na virada

4 comentários:

  1. Jac,
    Enquanto não chegamos na esquina, vivamos os tristes e os felizes amores que há nos atalhos e encruzilhadas, pois apenas isto nos livrará de sermos também loucos que espreitam medos.
    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  2. Devo ser uma louca que não teme a vida!
    Uma louca que ama viver!
    Beijos, querida!

    ResponderExcluir
  3. Isso mesmo, Jac, "tudo acaba numa esquina
    na virada". E não acaba, tem mais esquinas e mais viradas. Bom mesmo é pedalar sobre as copas das árvores do caminho, como na linda ilustração.

    ResponderExcluir