sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Canção de ser sozinho


 Foto de Marta Bucher

Um elo de uma corrente... solto.
Somos assim como as folhas
que se desprendem das árvores.
 O vento escolhe  o caminho.
Batemos aqui  e  ali,
escorregando  em  calçadas,
tocando em  vidraças,
 janelas que nunca entramos.

Não pensar
ou pensar pouco,
sem surpresa ou espanto.

Transpor o tédio das horas
sem esforço,
como uma margem sem rio.
Atravessar as tardes
sem esperar milagres.
É tudo.

4 comentários:

  1. "O vento escolhe o caminho".
    É bom deixar a vida nos levar ao sabor do vento...nos levando prá longe do óbvio...

    ResponderExcluir
  2. Quinan, querido Quinan...sempre...sempre...

    Muito carinho pra você!

    ResponderExcluir
  3. O vento é o nosso destino...

    Obrigada e grande abraço, Jan.

    ResponderExcluir